A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) realizam entre os dias 25 a 27 de outubro, terça a quinta-feira, na sede da Escola, em Belo Horizonte, o 1º Encontro Formativo com os analistas regionais e centrais da terceira e última onda de expansão do Projeto Saúde em Rede. Participam do encontro 48 analistas e o objetivo é apresentar e alinhar as questões relacionadas ao projeto e realizar a formação desses profissionais.

O projeto "Saúde em Rede", do governo de Minas, é desenvolvido pela SES-MG, em parceria com a ESP-MG e tem como objetivo promover a reestruturação das Redes de Atenção à Saúde (RAS), por meio da qualificação dos processos de trabalho dos profissionais da atenção primária (APS) e da atenção ambulatorial especializada (AAE).

Participaram da abertura do Encontro, a Diretora-Geral da ESP-MG, Mara Guarino Tanure, o Secretário de Estado Adjunto de Saúde André Luiz Moreira dos Anjos, o Subsecretário de Gestão Regional da SES- MG, Darlan Venâncio Pereira e a Gerente do Projeto Saúde em Rede, Raquel Guieiro.

Crédito da imagem: Jean Alves/ESP-MG

A Diretora da ESP-MG, Mara Tanure, destacou que esta terceira onda de expansão, será a última e a maior em número de municípios e também em profissionais envolvidos, já que nesta etapa serão contempladas 393 cidades. Com isso, o Saúde em Rede chegará a todas as 89 microrregiões do estado. "Este é um projeto robusto, extremamente desafiador, mas também muito necessário. Estamos felizes em receber os analistas e  com grande expectativa também em relação a experiência que eles irão compartilhar, pois esta troca é muito rica", completou.

O Secretário de Estado Adjunto de Saúde, André Luiz Moreira dos Anjos, ressaltou que o projeto é uma referência para o país, pois o Saúde em Rede valoriza exatamente o papel da atenção primária, que é vista como a ordenadora do cuidado. Lembrando que são nos territórios onde acontecem as políticas públicas.

Já o Subsecretário de Gestão Regional da SES-MG, Darlan Venâncio Thomaz Pereira, comentou que agora a intenção é universalizar o projeto e chegar a todas as 89 microrregiões do estado. "Nesses três dias de capacitação, esperamos trocar muitas experiências e que vocês possam aplicar nos municípios o conhecimento adquirido ao longo dos dias", enfatizou.

A Gerente do Projeto Saúde em Rede, Raquel Guieiro fez uma apresentação para os analistas e destacou os objetivos e resultados esperados. De acordo com ela, o Saúde em rede evidencia a atenção primária e o objetivo é estruturar a rede de saúde. "Nosso foco é a atenção primária e a estruturação de uma rede de saúde, que esteja organizada dentro dos modelos. É a atenção primária que estratifica o risco e encaminha o paciente para a especializada. O que a gente traz com o Saúde em Rede é a organização desse processo para que a atenção primária seja a porta de entrada do SUS. Com isso, pretendemos uma maior satisfação do usuário na atenção primária, já que 85% das condições de saúde devem ser resolvidas nesse nível de atenção", explicou.

Rede
Após a abertura oficial, foram iniciados os trabalhos e nos próximos três dias, os analistas terão a oportunidade de conhecer o projeto em profundidade, discutir métodos e ferramentas de trabalho, debater sobre desafios e possibilidades das redes de atenção em saúde e também aprender sobre o planejamento e implementação das oficinas do Projeto nas regiões.

Crédito da imagem: Jean Alves/ESP-MG

O Projeto Saúde em Rede foi iniciado em 2019, em sua etapa piloto, para a macrorregião Jequitinhonha e foi conduzido pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e com o Hospital Israelita Albert Einstein.

Já a expansão do Projeto, com as 1ª, 2ª e 3ª ondas, conta com a parceria da ESP-MG e tem como objetivo levá-lo para o restante do estado. A Escola é responsável por diversas atividades como: o desenvolvimento dos projetos educacionais e do modelo lógico para seleção dos municípios das ondas de expansão do projeto; pela elaboração de cursos introdutórios de alinhamento conceitual e dos materiais didáticos dos momentos formativos presenciais; pela preparação dos analistas centrais e pela certificação dos participantes.

A primeira onda de expansão aconteceu em maio de 2021 e atendeu a 142 cidades; já em novembro de 2021 foi iniciada a etapa de expansão da 2ª onda do projeto, contemplando 286 municípios e em novembro de 2022 será iniciada a terceira e última onda de expansão do projeto, abrangendo 393 cidades. No total, 852 municípios do estado serão atendidos. Este é um projeto de grande complexidade e capilaridade no estado e está estruturado em distintos processos técnico-educacionais, com diferentes atores, com variadas inserções institucionais e diversos locais de desenvolvimento das intervenções educativas, tecendo uma verdadeira rede de processos formativos.

Esta terceira onda está disponível para todos os municípios que não participaram ainda e que manifestaram interesse, como explica a referência técnica da coordenação de Regulação da Unidade Regional de Saúde de Belo Horizonte (URS-BH), Jéssica Vendrúscolo. "Nesse processo, temos vários atores no processo estratégico que buscam fazer a integração da Atenção Primária com a Atenção Ambulatorial Especializada para aperfeiçoar os fluxos de compartilhamento do cuidado na saúde materno infantil e na atenção às condições crônicas de hipertensão e diabetes".

Sobre o papel das unidades regionais de saúde, Vendrúsculo destaca a função estratégica. "Temos o apoio do nível central da SES-MG que auxilia as regionais e da Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG) que dá suporte às formações. Nós das regionais fazemos a formação junto com os tutores municipais, que são profissionais integrados aos serviços da Atenção Primária e da atenção especializada. Também é indicada um tutor de serviço que seja referência para a microrregião", detalhou.

Para a referência materno infantil da Coordenação de Atenção à Saúde e analista regional do Projeto Saúde em Rede da Unidade Regional de Saúde de Belo Horizonte, Maídila Sales, o Projeto é essencial para a melhoria da assistência e da qualidade de atendimento ao usuário. "Fazer parte da reestruturação da Rede de Atenção à Saúde na microrregião de Ouro Preto, fortalecendo o papel da Atenção Primária à Saúde (APS) como ordenadora do cuidado é gratificante, além de ser algo de grande importância para o melhor funcionamento da Rede resultando em muitos benefícios para os municípios que participam" afirmou.

Sobre o projeto
O Saúde em Rede tem como objetivo estruturar as Redes de Atenção com a transformação do atual modelo hierárquico - que tem o hospital como centro dos atendimentos -para dar lugar à gestão integrativa, na qual a Atenção Primária é ordenadora dos cuidados em saúde, além de qualificar os processos assistenciais com o intuito de promover uma assistência à saúde ainda mais adequada ao cidadão.

Para isso, o projeto propõe a implementação de processos de Educação Permanente em Saúde (EPS) para ampliar as capacidades das equipes da Atenção primária à Saúde (APS) e da Atenção Ambulatorial Especializada (AAE) de analisarem seus processos de trabalho e reorganizá-los com foco nas necessidades dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

>Para saber mais sobre o projeto, acesse: www.saude.mg.gov.br/saudeemrede

Por Vívian Campos/ ESP-MG e Leandro Heringer/ URS-BH